Tuesday, December 08, 2015

as naviloucas

as naves conquistaram o mar,
para não sermos apenas terrenos;

as aeronaves 
conquistaram o ar,
para não sermos apenas terrestres;

as espaçonaves 
conquistarão Marte,
para não sermos apenas terráqueos;

as naviloucas 
conquistarão a arte,
para não sermos apenas terríveis...


Copyright © 2015 Marco Alexandre de Oliveira

Saturday, November 21, 2015

Sarau do Escritório: Baile de Gala (21/11/2015)


"Há dois anos temos apostado na poesia de rua como um movimento importante para uma geração. Geração essa que busca uma atuação cultural independente dos modelos acadêmicos, ou das críticas literárias. 

Acreditamos nos escritores e realizadores que desengravatam a palavra, tornando-a livre para circular, e transformando o meio em que vivem. 

Assim sendo, o Sarau do Escritório tem a honra de convidar seu respeitável público a desfrutar de uma maratona poética, musical, circense, performática, teatral..." 

#200 atrações + palco aberto
#12 horas de experimentações artísticas
#10 coletivos co-produtores
#9 homenageados 
#4 palcos

Idealização: Coletivo Peneira
Realização: Mufa Produções

Coletivos co-produtores: Cineclube Buraco Do GetúlioSarau RUAFAZ NA PRAÇAetnohausPoliphonia LapaFábrica Nômade SonoraCentro Cultural DonanaLAENCASAEspaço Cultural Viaduto de Realengo eMANEH Produções & Eventos.

Nos vemos na rua!

#QuemBateCartãoTambémFazPoesia
#QueimandoAMufa

--------------------
PROGRAMAÇÃO
----------------------

Palco Joãozinho Carioca (esquina do Bar da Cachaça)
Coletivo co-produtor: MANEH Produções & Eventos

11:00 - Intervenção “As Águas Vão Rolar”, com participação das Ofélias
14:00 - Lançamento do Mapeamento dos Saraus da Metrópole do Rio de Janeiro e debate “Sarau: Lugar onde a metrópole se encontra”, com Ricardo Chacal (CEP 20.000), Viviane Sales (Poesia de Esquina), Dudu de Morro Agudo (Poetas Compulsivos), Nelson Neto (Ameopoema), Letícia Brito (Tagarela) e mediação da Lucia Helena Ramos (Ponto de Leitura Conta a Conto)
15:30 - Chacal (poesia)
15:35 - Letícia Brito (poesia)
15:40 - Nelson Neto (poesia)
15:45 - Viviane de Sales (poesia)
15:50 - Dani Santos (poesia)
15:55 - Santiago Perlingeiro (poesia)
16:00 - Marco Marjan (lançamento do livro “Acida Cidade”)
16:05 - Marcelo do Patrocinio (performance)
16:15 - Paulo Girão (poesia)
16:20 - Marcio Rufino (poesia)
16:25 - Nelio Fernando (poesia)
16:30 - Sarauzeiras Onírica (poesia)
16:40 - Dando de Antares (música)
16:55 - Felipe Bustamante (poesia)
17:00 - A Batida Que Seu Coração Pulou (música)
17:15 - Marcelo Ceará (música)
17:30 - Gledson Vinicius (poesia)
17:35 - Cairo Trindade (poesia)
17:40 - Balalaica (poesia)
17:50 - Eliza Moreno (poesia)
18:00 - Luana Muniz + homenagem a Rainha da Lapa
18:15 - Lê Almeida (música)
18:30 - Pedro Gama (música)
18:45 - Lucas Norato (música)
19:00 - Fernando Holanda (música)
19:00 - Marcia do Valle (performance)
19:15 - Bela Faria (poesia)
19:20 - Julio Brownie (poesia)
19:25 - Marcelo Moutinho (literatura)
19:30 - Tetsuo Takita (performance)
19:35 - Monique Nix (poesia)
19:40 - Dalberto Gomes (poesia)
19:55 - Mulambo Jazz (música)
20:15 - Diego Miranda (poesia)
20:20 - DÕ Mc (rap)
20:30 - Ph Lima (rap)
20:40 - Bola (rap)
20:50 - Flávio Paixão (rap)
21:00 - Vinicius Terra (rap)
21:20 - Janaina Costa (circo)
21:30 - Samba Nonsense (música)
21:50 - Henrique Santos (poesia)
21:55 - Lipe Limão (poesia)
22:00 - Cleber Santos (poesia)
22:05 - Laura Faleiros (circo)
22:20 - Banda João e Sessão de Aprumo (música)
22:35 - Ludi Um (música)
22:50 - Joãozinho Carioca (música)

+

Paloma Dalla Vecchia (intervenção)
Marcio Fidelis (intervenção)
Davi Marcos (intervenção e projeção)
Outras Dimensões (livros artesanais)
Rio Invisível (exposição)
Tetsuo Takita (projeção)
Victor Coutinho e Larissa Amorim (exposição sobre os dois anos do Sarau do Escritorio)
Vide One Love (intervenção “Quem bate cartão, também faz poesia!”)

Palco Pepeia (esquina da Drogaria Max)
Coletivos co-produtores: FAZ NA PRAÇA, etnohaus, Poliphonia Lapa e Fábrica Nômade Sonora ♥

11:00 - Intervenção “As Águas Vão Rolar”, com participação das Ofélias
13:00 - Bloco Piraelétrica (música)
14:00 - Pedro Silva (música)
14:15 - Palco Aberto
14:30 - Taisa Mannon (música)
14:45 - Pierre Gefflot (música)
14:55 - Severino Honorato (cordel)
15:00 - Renascimento Duo (música/poesia)
15:30 - Debate: Royalties do Álcool
16:30 - Mensageiros do vento (teatro)
16:55 - Vinco (música)
17:20 - Daniel Rolim (poesia)
17:25 - Amanda Carvalho (poesia)
17:30 - Pedro Rocha (poesia)
17:35 - Cássius Augusto (música)
17:50 - Rogerio Melo (poesia)
17:55 - Deborah Fadiga (poesia)
18:00 - Bel Baroni e Diogo Jobim (música/poesia)
18:15 - Filtra (música)
18:45 - Fred Rocha (música)
19:00 - Jessé Andarilho (poesia)
19:05 - Samba de Benfica (música)
19:35 - Cia do Solo (palhaçaria)
20:05 - Kzk de Antares (poesia/performance)
20:15 - Anarcofunk (música)
20:25 - Raphael Couto (performance)
20:35 - André Narcizo (rap)
20:40 - Ras Renato (rap)
21:55 - Tarja Preta (rap)
21:05 - Café Frio (música)
21:35 - Thiago Diniz (poesia)
21:40 - Palco Aberto
21:45 - Sheyla de Castilho e Patricia Vital (Perfordam-se)
22:00 - Scott Fraga (música)
22:15 - Pepeia + Entrevista da Homenageada (performance)
22:20 - Tifany (performance)
22:25 - Mulher Bambu (performance)
22:30 - Choque do Magriça (música)
23:00 - Hey Ho Brass Band (música)

+

VJ Wellington Pinto
Drag-se (webserie)
Tem Local
Prepara Nem
Cabelerato

+

Comidinhas e belisquetes:
Larica’s

Palco Gordo do Trem (esquina da Choperia do Papai)
Coletivos co-produtores Sarau RUA e Cineclube Buraco Do Getúlio ♥

11:00 - Intervenção “As Águas Vão Rolar”, com participação das Ofélias
14:00 - Oficina: “Palhaçaria e Melodrama”, com Ana Luisa Cardoso
15:00 - Mestre Zelão do Berimbau (performance)
15:10 - Projeto Palhaçadaria (circo)
15:25 - Trupe MERDA (teatro)
15:35 - Crônicas do Trem (literatura)
15:40 - Marcelo Peregrino (contação de histórias)
15:55 - Palco Aberto
16:05 - Fabricio Fortes (música)
16:20 - Donan (rap)
16:35 - Palco Aberto
16:40 - Halisson Perfect (passinho)
16:50 - Banda Gente (música)
17:05 - Ana Salek (poesia)
17:10 - Caetano (poesia)
17:15 - Carlos Orpheu (poesia)
17:20 - Matheus Carvalho (poesia)
17:25 - Luana Pinheiro (poesia)
17:30 - Thiago Dias (poesia)
17:35 - Gabriel Ferrão (poesia)
17:40 - Palco Aberto
18:00 - Fabi Fulosinha (performance dança)
18:10 - Pedro Jardim (música)
18:25 - MC Patrão (música)
18:35 - Palco Aberto
19:00 - Átila Bezerra (performance)
19:10 - João Lelis (poesia)
19:15 - Veruska Delfino (poesia)
19:20 - Luiz Coelho Medina (poesia)
19:25 - Marcelo Peregrino (música)
19:40 - Pocket Show Poético Sarau Rua (poesia)
19:50 - Batalha de Slam
20:20 - Jonatham Urbano (rap)
20:30 - Lisa Castro (rap)
20:40 - Yassu Nogucchi (poesia)
20:45 - Gringo Carioca (poesia)
20:50 - Panga (música)
21:10 - Rodrigo De La Rocha (poesia)
21:15 - Palco Aberto
21:20 - Caetano de Faria (música)
21:35 - Gordo do Trem + Entrevista do Homenageado
21:45 - Banda Tailten (música)
21:55 - Ratos Di Versos (poesia)
22:10 - Batalha do Kwanza
22:40 - DJ Karina Vasconcelos/Átame Produções

+

Helianthus (exposição)
Nathalie (exposição)
Exposto-Queimados (exposição)
Poema Fiado com Victor Escobar (intervenção)
Lívia Agabel (exposição)
Conto na Hora com Hanny Saraiva (Intervenção)

Palco Elias (esquina do Caneco 70)
Coletivos co-produtores: LAENCASA, Centro Cultural Donana e Espaço Cultural Viaduto de Realengo ♥

11:00 - Intervenção “As Águas Vão Rolar”, com participação das Ofélias
14:00 - A Moça de flor no peito ou a moça de peito em flor (performance)
14:15 - Edmilson Santini (cordel)
14:30 - Maria Tereza (música)
14:45 - Edilson Ernesto (música)
15:00 - Vanda Cortez (circo)
15:10 - Banda Monstro (música)
15:25 - Maiara Landim (dança)
15:40 - Felipe Paiva (literatura)
15:45 - Luiz Medina (poesia)
15:50 - Cris Amaral (poesia)
15:55 - Luiza Bastos (poesia)
16:00 - Luiz Claudio (poesia)
16:05 - Drulucca (música)
16:25 - SOS Rap (música)
16:40 - Meiry Oliveira (poesia)
16:45 - Eliane Gonçalves (poesia)
16:50 - Any Alves (poesia)
16:55 - Marcondes Mesqueu (performance)
17:05 - Marmota e sua Gambiarra (circo)
17:20 - Pequenas Igrejas (música)
17:35 - Ivone Landim (poesia)
17:40 - Mariana Belize (poesia)
17:45 - Xarles Xavier (música)
18:00 - Haicai Combat (inscrições na hora)
18:45 - Fellapi (música)
19:00 - Alan Salgueiro (poesia)
19:05 - Henrique Souza (poesia)
19:10 - Anderson Nascimento (poesia)
19:15 - Palco Aberto
19:20 - Isabela Romeiro Vann (poeisa)
19:25 - Palco Aberto
19:30 - Batalha do Conhecimento (inscrições na hora)
20:00 - Anderson Leite Lima (poesia)
20:05 - Solange Maria (poesia)
20:10 - Paula Beatriz (poesia)
20:15 - Luiza Bastos (poesia)
20:20 - Carlos Surck (poesia)
20:25 - Dida Nascimento (música)
20:40 - Átomo (rap)
20:50 - Lc do Cantão (rap)
21:00 - Palco Aberto
21:15 - Fernanda Tatagiba (poesia)
21:20 - Tiago Malta (poesia)
21:25 - Marcio Januário (poesia)
21:30 - Rogerio Melo (poesia)
21:35 - Jeane B - (poesia)
21:40 - Deborah Fadigah (poesia)
21:45 - Matheus Mineiro (poesia)
21:50 - John Conceição (poesia)
21:55 - João Walcacer (música)
22:10 - Elias + Entrevista do homenageado
22:20 - Evandro Vedovelli (música)

+

Café com click (exposição)
Codorna Trepidante (quadrinhos/poesia)

Quando? Sábado, 21 de novembro
Que horas? Das 11h as 23h
Onde? Pracinha João Pessoa, Lapa/RJ
Evento: www.fb.com/events/921215474601033

Idealização: Coletivo Peneira
Realização: Mufa Produções

#QuemBateCartãoTambémFazPoesia
#SarauDoEscritório
#QueimandoAMufa

#QuemBateCartãoTambémFazPoesia
#SarauDoEscritório
#QueimandoAMufa
---------------------
INFORMAÇÕES
---------------------
mufaproducoes@gmail.com

----------------------------------------------------------------------------------------------
. evento gratuito . microfone aberto . evento gratuito . microfone aberto .
----------------------------------------------------------------------------------------------

Sunday, November 08, 2015

O Coletivo Nebulosa no CEP 25 anos



O Coletivo Nebulosa no aniversário de 25 anos do CEP 20.000

05/09/2015



Coletivo Nebulosa: 

Breno Coelho, Bráulio Coelho, Gringo Carioca


Descrição: 

Adaptação da música "Campiô" do grupo Pandeiro do Mestre e Toré da tradição Pankararu.


Versão original:

http://www.iteia.org.br/audios/pandeiro-do-mestre-coco-de-tore

Sunday, November 01, 2015

tá rindo de quê?

para Chacal

tá rindo de quê?

o Rio de Janeiro continua lindo, e violento...
tem muito samba no pé, e dor de cotovelo...
a fantasia não mascara a realidade, de que a alegria virou alegoria...

tá rindo de quê?

no país do futebol, a corrupção é padrão FIFA...
a bunda é paixão nacional, e tá tudo mundo duro...
esse fogo no rabo, só pode dar merda...

tá rindo de quê?

tem tanta energia, mas falta luz...
já se foi a última gota d’água...
uma gelada não mata a sede, uma quentinha não alimenta a fome...

tá rindo de quê?

o pré-sal não tempera nem o churrasco…
a promessa de ontem ficou para amanhã...
se vendeu a preço de banana, só para pagar mico...

tá rindo de quê?

o milagre econômico só trouxe malogro…
a bolsa subiu, mas saiu do seu bolso...
de tanto dever, o Estado tá sem crédito...

tá rindo de quê?

o sistema de saúde tá doente...
as escolas apenas ensinam a ser mal-educado...
entre a ordem e o progresso, a nação perdeu a noção...

tá rindo de quê?

o palhaço foi eleito, e a festa acabou em pizza...
tirou tanta vantagem que levou à derrota…
o homem tá preso, enquanto o bicho tá solto...

tá rindo de quê?

a gente não se vê por aqui, muito menos se ouve...
domingão o cacete, planeta o caralho!!!
as redes sociais não tem saneamento básico...

tá rindo de quê?

o gigante acordou, e percebeu que era anão...
saiu do fundo do poço, e logo entrou pelo cano...
e aí... comeu, ou se fodeu???

tá rindo de quê?

acabou a farra, a gente tá ferrado...
pelo jeito, o jeitinho não deu...
o poema é piada! fala sério...


Copyright © 2015 Marco Alexandre de Oliveira

Wednesday, October 28, 2015

CEP 20.000: 40 anos da Nuvem Cigana




Há 40 anos atrás, no dia 30 de outubro de 1975, na Livraria Muro, em Ipanema, um bando de poetas e artistas indomáveis realizou o primeiro sarau pop do Rio de Janeiro. Era a primeira artimanha da Nuvem Cigana.

Em sua homenagem, na próxima 4a feira, dia 28 de outubro, o CEP 20.000, legítimo herdeiro desses pioneiros, comemora a data com alguns sobreviventes e coletivos atuais da cidade. Viva o CEP, a poesia propriamente dita! Viva a Nuvem Cigana, a bendita palavra maldita. Boralá!
--

Exposição de Christofer Brg (feat. MAnikÜss)
Vídeoarte: “Placa mãe”, de Cafi
Poetas convidados -- Ana Salek (feat. Pedro Carneiro), Maria Isabel Iorio, Marco Alexandre de Oliveira, Ricardo Chacal, Sergio Cohn, Tavinho Paes & Beatriz Provasi
Cena de Felipe Bustamante
CEP convida -- Norte ComumSarau do Escritório & Poesia de Esquina
Show da banda Renascimento

--
Dia 28/10
Até 19h30 = 5 R$
Depois de 19h30 = 10 R$
Espaço Cultural Municipal Sergio Porto

Saturday, September 05, 2015

25 anos do CEP 20.000!




"o cep, recital mensal que há 25 anos levanta a bola da poesia no rio de janeiro, comemora aniversário de um quarto de século nesse sábado na oca do parque lage, numa tarde/noite regada a versos, performances, cantos, danças tribais e roda de coco. a onda é boa. o mundo é bom. boralá !"

16h00 - Idjahure (cantos indígenas) - Renascimento - Catarina Lins - Tracy Segal e Ana Chagas - Gringo Carioca - Adiron Marcos - Balalaica - Beatriz Provasi - Tavinho Paes - Luana Costa e Joni Castilho
- Marilene Vieira - Juju Holanda - Breno, Bráulio e Vinicius
- Domingos Guimaraens - Pedro Rocha e Amora Pera
- Ericson Pires Remix (Pedro Lago e Cia). - Vitor Paiva
- Botika - Zarvos - Nil - Éber - Aimberê – Gab Marcondes
- Alex Hamburguer - Cabelo - Justo D’Ávila - Dado Amaral – Carluxo
- Maurição – Xico Chaves - XXV, a peça - Pajelança - Coconomã -
22 hs - fim.

Tuesday, August 04, 2015

Octavio Paz: A rua / The Street




A rua

Octavio Paz / Gringo Carioca


É uma rua longa e silenciosa.
Ando nas trevas e tropeço e caio
e me levanto e piso com pés cegos
as pedras mudas e as folhas secas
e alguém atrás de mim também as pisa:
se me detenho, se detém;
se corro, corre. Volto o rosto: ninguém.
Tudo está escuro e sem saída,
e dou voltas e voltas em esquinas
que dão sempre na rua
onde ninguém me espera nem me segue,
onde eu sigo um homem que tropeça
e se levanta e diz ao ver-me: ninguém.



The Street

Octavio Paz / Gringo Carioca


It’s a long and silent street.
I walk in darkness and trip and fall
and rise and step with blind feet
on mute stones and dry leaves
where somebody behind me also steps:
if I stop, he stops;
if I run, he runs. I turn my face: nobody.
There is no light and no escape,
and I go around and around corners
that always lead to the street
where nobody waits for me or follows me,
where I follow a man who trips
and rises and says when he sees me: nobody.



La calle

Octavio Paz


Es una calle larga y silenciosa.
Ando en tinieblas y tropiezo y caigo
y me levanto y piso con pies ciegos
las piedras mudas y las hojas secas
y alguien detrás de mí también las pisa:
si me detengo, se detiene;
si corro, corre. Vuelvo el rostro: nadie.
Todo está oscuro y sin salida,
y doy vueltas y vueltas en esquinas
que dan siempre a la calle
donde nadie me espera ni me sigue,
donde yo sigo a un hombre que tropieza
y se levanta y dice al verme: nadie.

Tuesday, July 28, 2015

"A esquizopoética do CORPO DE FESTIM" em ZONA DA PALAVRA

A esquizopoética do Corpo de festim


                                                                                                               Marco Alexandre de Oliveira

Começaremos pela etimologia, o estudo da genealogia das palavras. Por um lado, corpo deriva do latim corpus, que pode se referir tanto à substância ou matéria em si, quanto à forma ou figura humana. Também pode denominar o cadáver de um morto, ou até um conjunto de obras de um autor. Na língua portuguesa, o termo significa uma série de conceitos relacionados que incluem os citados acima, além de outros como a “parte principal e central” de qualquer objeto, inclusive um “texto de obra impressa”.[1]

Por outro lado, festim deriva do latim festa, que se relaciona ao conceito da festividade de um povo durante um feriado. Na língua portuguesa, se o termo festa denomina uma “solenidade”, uma “cerimônia com que se celebra um fato”, uma “comemoração” ou um “fato extraordinário”, o termo festim significa uma “pequena festa”, um “banquete”, um “festejo particular” ou uma “festa em família”. Também pode se referir a um “cartucho com um baixo explosivo, fechado por uma bucha, que se queima com o disparo”.[2]

A poética do Corpo de festim (2014), de Alexandre Guarnieri, incorpora todas essas definições, enquanto gera várias outras. Por um lado, a linguagem é substancial, feita como material de (des)construção de significados múltiplos e diversos. A técnica é formalista e analisa (bio)logicamente o corpo vivo até (re)torná-lo morto e dissecado. Os textos impressos expressam a carne e o osso dos processos orgânicos em (de)composição. E a obra representa uma amostra de “antropoemas” transcritos e inscritos no próprio corpo do homem. Por outro lado, o livro é festivo e promove um festival de sentidos (des)familiares, um banquete de escritos tão descritivos quanto criativos. Afinal, aponta a sua arma, mira e atira as suas verdadeiras palavras-balas de mentira contra o corpo linguístico e literário em si.

Motivo para celebração, esse festim do corpo segue na linha do livro Casa das Máquinas (2011), mas superficialmente troca a linguagem tecnológica pela biológica enquanto basicamente funde a tecno-poética com a bio-poética. Pois se cada máquina em suas peças compõe um corpo, o corpo em suas partes constitui uma máquina. De certo modo, o Corpo de festim assim se torna, também, uma “casa das máquinas”, máquinas-poemas conectadas a máquinas-teorias, cujas ideias são (re)cortes de fontes (inter)relacionadas: Charles Darwin, Albert Einstein, Stéphane Mallarmé, Antonin Artaud, Gilles Deleuze, Félix Guattari e Michel Foucault.

O título do primeiro capítulo do livro, “DARWIN NÃO JOGA DADOS, MALLARMÉ SIM”, se refere tanto a uma frase conhecida de Einstein, que certa vez observou que “Deus não joga dados com o universo”, quanto a um poema pioneiro de Mallarmé, cujo verso principal diz que “Um lance de dados jamais abolirá o acaso”. Do mesmo modo que o fundador da teoria da relatividade nega a incerteza implícita na teoria da mecânica quântica, Darwin afirma o determinismo explícito na sua teoria da evolução desenvolvida em Origen das espécies (1859). Mas se a ciência nova da virada do século XX é predominantemente determinista, a poesia inovadora da mesma época é concomitantemente aleatória. Esse movimento se inicia com Um lance de dados (1897) e continua com as experiências vanguardistas dos futuristas e dadaístas até culminar com os concretistas. Se, por um lado, as referências a Einstein e Darwin são evidentes nos discursos científicos que (in)formam os textos, a referência a Mallarmé é aparente nas experimentações poéticas que (des)caracterizam o livro, desde a sua tipografia atípica até a sua composição em decomposição. Foi o crítico Walter Benjamin que revelou, em seu ensaio “Rua de mão única” (1928), que a revolução da poesia moderna de Mallarmé representava uma recuperação da antiga escrita em suas dimensões gráficas ou figurativas. Essa observação relaciona o poeta aos cientistas revolucionários, que buscaram delinear uma certa evolução a partir de determinadas origens.

Desse modo, o Corpo de festim começa traçando a origem e evolução tanto da vida, materializada a partir do “átomo de carbono”, quanto da escrita, realizada a partir do “sangue”, “suor” e “celulose”. A série “o átomo de carbono” descreve a história do corpo desde o big bang cósmico até a formação do nosso planeta pelas forças de água, ar, fogo e terra, onde surge a vida em toda a sua (bio)diversidade de formas, culminando com o nascimento e desenvolvimento do homem. Analogamente, a série “sangue | suor / e celulose” descreve a biografia do livro como a dilaceração da pele e a violação do papel, ambos marcados pelo sangue vermelho que logo vira tinta preta. Esse chamado “livro corporal”, (de)composto de textos (des)contextualizados, é a (trans)figuração do corpo em livro, e vice versa, nos versos expressos e impressos. As duas séries paralelas, portanto, se relacionam e se relativizam no corpo concebido como um “livro aberto”, cuja “pele” é a “capa” e cujos “órgãos” são os “textos”. No entanto, uma vez nascido, esse corpo-livro (pre)vê uma escolha profundamente individual, e fundamentalmente existencial: “revoltar-se” ou “voltar” às origens. Enfim, o primeiro capítulo termina assim, com um “bem-vindo” a esse livro-corpo, finalmente (re)tratado como “um conjunto mecanismo”.[3]

O título do segundo capítulo, “CORPO-SÓ-ÓRGÃOS”, dialoga com o termo “corpo sem órgãos”, conceituado originalmente por Artaud e elaborado posteriormente por Deleuze e Guattari no livro O Anti-Édipo (1972), uma (re)leitura radical e revolucionária de Sigmund Freud e Karl Marx. Observa-se que “o corpo pleno sem órgãos é o improdutivo, o estéril, o inengendrado, o inconsumível. Antonin Artaud o descobriu, lá onde ele se encontrava, sem forma e sem figura”.[4] O filósofo e o psicanalista até citam os próprios versos do poeta – “O corpo é o corpo/ ele está só/ e não precisa de órgão/ o corpo nunca é um organismo/ os organismos são os inimigos do corpo” – após comentar que há um “conflito aparente” entre o corpo sem órgãos, que é “antiprodução”, e as “máquinas desejantes”, que são a “produção de produção”.[5] Ao constatar esse processo de produção “primária” e “universal”, que (re)produz tanto o(s) corpo(s) quanto o mundo em si, nota-se que há “tão somente máquinas em toda parte, e sem qualquer metáfora: máquinas de máquinas, com seus acoplamentos, suas conexões. Uma máquina-órgão é conectada a uma máquina-fonte: esta emite um fluxo que a outra corta.” Por exemplo, o seio materno é “uma máquina que produz leite”, enquanto a boca infantil é “uma máquina acoplada a ela”. As máquinas desejantes, portanto, incluem qualquer órgão do corpo, junto com as suas respectivas funções. Assim, e lembrando o discurso do antropólogo Claude Lévi-Strauss, “todos somos ‘bricoleurs’; cada um com as suas pequenas máquinas. Uma máquina-órgão para uma máquina-energia, sempre fluxos e cortes”.[6] O corpo como um todo, inclusive, também pode ser considerado uma espécie de máquina que, por sua vez, está sempre conectada a outra(s) máquina(s).

São as máquinas desejantes que, de certo modo, fazem do corpo um “organismo”. Porém, nesse processo de produção, “o corpo sofre por estar assim organizado, por não ter outra organização ou organização nenhuma”. É o caso do esquizofrênico, que deseja reorganizar tanto o seu corpo quanto o seu mundo para então experimentar uma nova (des)organização. Como produção de máquinas “desarranjadas” e peças “desligadas”, o corpo sem órgãos se diferencia do organismo, portanto, e enfim se identifica como “instinto de morte” ou “corpo pleno da morte”.[7] Na última análise de Deleuze e Guattari:


 O corpo sem órgãos é o improdutivo; no entanto, é produzido em seu lugar próprio, a seu tempo, na sua síntese conectiva, como a identidade do produzir e do produto [….] O corpo sem órgãos não é o testemunho de um nada original,  nem o resto de uma totalidade perdida. E, sobretudo, ele não é uma projeção: nada tem a ver com o corpo próprio ou com uma imagem do corpo. É o corpo  sem imagem. Ele, o improdutivo, existe aí onde é produzido [….] Ele é             perpetuamente re-injetado na produção [….] O corpo pleno sem órgãos é antiprodução; mas é ainda uma característica da síntese conectiva ou  produtiva acoplar a produção à antiprodução, a um elemento de antiprodução. [8]


Desse modo, a referida inimizade ou “conflito” aparentemente surge porque cada “conexão” ou “produção” das máquinas desejantes se torna “insuportável” ao corpo sem órgãos na medida em que, sob os órgãos, se sente “a ação de um Deus que o sabota ou estrangula ao organizá-lo”. Consequentemente, e ao contrário de um suposto “contrainvestimento”, há uma “repulsão das máquinas desejantes pelo corpo sem órgãos”.[9] Existe, assim, uma certa oposição entre “o processo de produção das máquinas desejantes e a parada improdutiva do corpo sem órgãos”.[10] Ou seja, à produção das “máquinas-órgãos” opõe-se a antiprodução do corpo sem órgãos.[11]

Assim como Deleuze e Guattari desterritorializam a psicanálise e a reterritorializam como a “esquizoanálise”, Guarnieri desfaz a psicopoética do organismo e a refaz como a esquizopoética do “corpo-só-órgãos”, um jogo de palavras que lembra o termo “órgãos sem corpo”, cunhado pelo também filósofo Slavoj Žižek. Desse modo, ao invés e ao revés do “objeto não diferenciado” que constitui o “corpo pleno sem órgãos”,[12] o “corpo-só-órgãos” seria um objeto diferenciado, um corpo despedaçado pelas máquinas-órgãos que o (de)compõem. Essas máquinas-órgãos seriam os próprios poemas do segundo capítulo, cujos títulos já evocam as diversas partes do corpo (i.e. o baço, os rins, o fígado, o coração, os pulmões, a pele, a cabeça, os ombros, os joelhos, os pés, o crânio, os ouvidos, os olhos e o rosto) e seus múltiplos processos fisiológicos. Destaca-se a série “mecânica dos fluidos”, que relaciona as secreções corporais (i.e. o sangue, o suor, a lágrima, a saliva, o sêmen, o leite, a urina, a bile, o pus, a fleugma) às produções maquinais, pois é o fluxo em si que (inter)conecta as máquinas-órgãos, segundo Deleuze e Guattari, uma vez que “há sempre uma máquina produtora de um fluxo, e uma outra que lhe está conectada, operando um corte, uma extração de fluxo (o seio — a boca)”. Por exemplo:


Bolsa de águas e cálculos do rim; fluxo de cabelo, fluxo de baba, fluxo de   esperma, de merda ou de urina produzidos por objetos parciais, constantemente  cortados por outros objetos parciais que, por sua vez, produzem outros fluxos também recortados por outros objetos parciais. Todo “objeto” supõe a   continuidade de um fluxo, e todo fluxo supõe a fragmentação do objeto.[13]


Para concluir, se o corpo sem órgãos de Deleuze e Guattari pressupõe “um puro fluido, em estado livre e sem cortes”,[14] o “corpo-só-órgãos” de Guarnieri expõe vários fluidos impuros, em estados (pre)fixos e com (re)cortes.

Ao formular relações com a “esquizoanálise” de Deleuze e Guattari, a esquizopoética de Guarnieri revela múltiplos sentidos tão biológicos quanto psicológicos. Como observa Deleuze em A lógica do sentido (1969), na linguagem esquizofrênica: “Toda palavra é física, afeta imediatamente o corpo”.[15] O próprio pai da psicanálise, Sigmund Freud, em “O inconsciente” (1915), antes notou que “a fala esquizofrênica […] torna-se linguagem do órgão.[16] O “corpo-só-órgãos” assim incorpora não somente uma linguagem, mas também e principalmente uma poética “esquizofrênica”, que re(a)presentam o organismo como uma multiplicidade, uma vez que os órgãos transcritos como “antropoemas” assumem funções outras e estabelecem conexões diversas. Ao comentar a poesia de Artaud, Deleuze resumiu a produção linguística do esquizofrênico deste modo:


  O procedimento é do seguinte gênero: uma palavra, frequentemente de natureza alimentar, aparece […] como em uma colagem que a fixa e a destitui de seu  sentido; mas ao mesmo tempo em que perde seu sentido, a palavra afixada  explode em pedaços, decompõe-se em silabas, letras, sobretudo consoantes que agem diretamente sobre o corpo, penetrando-o e mortificando-o [….] As partes do corpo, órgãos, determinam-se em função dos elementos decompostos que os             afetam e os agridem.[17]


De modo análogo, na esquizopoética de Guarnieri, cada poema é concreto, (trans)forma diretamente o organismo. O “procedimento” é o seguinte: um poema, geralmente de natureza fisiológica, surge como em um texto que (sobre)determina e des(cons)troe o seu conteúdo; concomitantemente, o determinado poema desfaz-se em frases, decompõe-se em palavras, sílabas, sobretudo pontuação que se inscrevem no corpo, descrevendo-o e transcrevendo-o. Assim, as partes do corpo, os órgãos, re(des)organizam-se em função dos elementos decompostos que os (trans)formam e transgridem.

O título do terceiro capítulo, “VIGIAR E PUNIR”, se refere ao livro homônimo escrito por Foucault (1975), que dialoga com Deleuze e Guattari ao observar como o corpo humano, enquanto organismo, tem sido dom(in)ado pelo poder na modernidade. O objetivo do livro, segundo o filósofo, é escrever “uma história da alma moderna em julgamento” a partir de “uma tecnologia política do corpo”, para então poder compreender como “um modo específico de sujeição pôde dar origem ao homem como objeto de saber para um discurso com status ‘científico’”.[18] Esse “discurso”, de certo modo, incorpora toda a episteme da modernidade, em que o humanismo (re)aparece (in)vestido do capitalismo. Para Foucault, o homem está literalmente e figurativamente sujeito a uma “economia política” do corpo, que não necessariamente se baseia em uma “história” do corpo biológica ou sociológica. À princípio, o corpo está envolvido em um “campo político” que está (inter)relacionado à sua “utilização econômica”.[19] Assim, se “é como força de produção que o corpo é investido por relações de poder e de dominação”, ao mesmo tempo, “sua constituição como força de trabalho só é possível se ele está preso num sistema de sujeição”. Ou seja, o corpo em si torna-se “força útil” apenas na medida em que é tanto “corpo produtivo” quanto “corpo submisso”.[20] A chamada “tecnologia política do corpo”, então, se constitui por “um ‘saber’ do corpo que não é exatamente a ciência de seu funcionamento, e um controle de suas forças que é mais que a capacidade de vencê-las”.[21] Essa tecnologia trata-se de “uma microfísica do poder” cuja história seria “uma genealogia da ‘alma’ moderna”, uma alma que não é ilusória nem ideológica mas é real e “produzida” no corpo pelo exercício do poder sobre todos “os que são fixados a um aparelho de produção e controlados durante toda a existência”. Para concluir, como observa Foucault:


Esta alma real e incorpórea não é absolutamente substância; é o elemento onde se articulam os efeitos de um certo tipo de poder e a referência de um saber, a engrenagem pela qual as relações de poder dão lugar a um saber possível, e o saber reconduz e reforça os efeitos de poder. Sobre essa realidade-referência, vários conceitos foram construídos e campos de análise foram demarcados: psique, subjetividade, personalidade, consciência, etc.; sobre ela técnicas e discursos científicos foram edificados; a partir dela, valorizaram-se as reivindicações morais do humanismo.[22]


Origem epistemológica do sujeito moderno, a alma humana assim se revela como “uma peça no domínio exercido pelo poder sobre o corpo”, ou então, como “efeito e instrumento de uma anatomia política”. Em suma, e ao contrário da alma clássica ou medieval, que era presa dentro do corpo, a alma moderna figura como a “prisão do corpo”.[23]

De certo modo, é a imagem do corpo preso que ilustra o espírito de Corpo de festim, cuja capa apresenta o mágico Harry Houdini todo algemado, enquanto almeja fugir. Como o artista da fome de Franz Kafka, o ilusionista aparece apenas para desaparecer no final, como um sujeito livre de sujeição. No entanto, há de passar pelo estado do “vigiar e punir” para então poder sonhar com a liberdade de não ser mais um ser human(izad)o. Os poemas do último capítulo assim observam o corpo subjugado pelas forças do poder que o organizam em forma de organismo produtivo, ao mesmo tempo que a sua “personalidade” esquizofrênica procura a cura através da transgressão e subversão dos (im)próprios modos de ser.

Em “ânus humano ( . ) ônus santo”, o órgão tradicionalmente (não) visto como tabu, retratado como “obscuro” e “sujo”, vem à luz como “binômio ambíguo, um doloroso alívio, entre a punição e o prêmio”, uma fonte de prazer desprezível através do acesso proibido. Conforme já dito, esse desejo para os órgãos realizarem outras funções ou conexões é característico do esquizofrênico, assim como a vontade para as palavras representarem outros significados ou sentidos. O título do poema, por exemplo, segue o procedimento de uma linguagem esquizofrênica, e consequentemente concreta, que associa as palavras “ânus” e “ônus” na base da sua semelhança fonética, enquanto contrapõe as palavras “humano” e “santo” para então poder relacioná-las. Por fim, a pontuação também acentua uma certa esquizofrenia ao representar tipograficamente a forma de duas nádegas e um “orifício”.[24]
Do mesmo modo, os outros poemas do capítulo assinalam a esquizopoética dos chamados “antropoemas” sobre o corpo que o (de)compõem. Em relação à estrutura, os títulos “biótopo”, “cotidianometria” e “limitrofagia” constituem neologismos formados a partir da (trans)fusão de palavras, prefixos e sufixos (i.e. biótipo + topo; cotidiano + -metria; limite + fagía). Em relação ao conteúdo, esses e outros poemas expressam tanto a sensação de ficar preso a um “sistema de sujeição”, como diria Foucault, quanto o sentimento de “repulsão” por ser ou estar sujeito aos processos de produção, como diriam Deleuze e Guattari. Assim, “o sono” e “a preguiça” são relacionados ao “ócio”, enquanto o corpo é submetido à “prova”, ao exame, ao remédio, à medida, ao limite, até que encontra a (re)solução de morrer, de voltar na forma de uma “retrogressão” ou de revoltar-se na forma de uma revolução contra o próprio organismo através do suicídio.[25]

Percebe-se, enfim, a existência esquizofrênica de um cisma profundo dentro do corpo do homem, no (re)conhecimento da sua própria “alteridade”, ou identidade fundada em diferença. Pois além do corpo há uma “outra coisa”, uma coisa “desabitada de si”, uma coisa “quase vazia” e “firmada no nada, no vácuo”, que essencialmente habita um entrelugar, “entre moléculas, entre partículas elétricas, entre ondas de rádio, entre vórtices de ar […] entre a fronteira do campo de visão e uma esfera de conceito […] entre o tempo e o espaço, entre a hora e o atraso, entre o vivo e o morto”. Desde os diversos “interstícios” essa “outra” coisa, seja um “vulto” ou uma “aura”, que talvez exista “pelo espaço vazio entre os corpos”, que é tanto “causa” quanto “consequência”, é afirmada como “algo inglório”, como “o que poderia impedir de evadir-se a si própria”.[26]  Portanto, é essa (outra) coisa que finalmente deveria ser destruída através da morte do corpo, cuja “necropsia” significaria a extinção do “homem” em si. Se, por um lado, “o cadáver já navega ( a balsa compulsória sobre a lâmina d’água ), entregue ao necrotério”, por outro lado, “vai-se mais um morto para o rio estige”.[27]

Assim, o Corpo de festim termina com o corpo morto, enquanto a alma ainda (sobre)vive.  Como se fosse uma espécie de epílogo do livro, o último poema “mandala de houdini” (re)coloca a questão espiritual no “âmago” da questão corporal, pois afinal, como escapar de si mesmo se não através do outro em si? Incorpora-se, desse modo, a voz do próprio “poeta”, que se revela em forma de ars poetica:


            [….] EU me revelo subitamente egresso de algum túnel até então ocultado e surjo não menos demiúrgico, neste exato momento do espetáculo, talvez o  mais obscuro, por sobre cujas palavras arbitrárias se erguem unicamente as   escolhas do MEU monstruoso critério estético e, como frankenstein, EU sou   este poeta, sou o autor deste poema (onde o excêntrico cientista e a brutal criatura se misturam), sou EU o prisioneiro solitário desta cela simétrica a 35 graus entígrados (são braços e pernas, são duas janelas) cujas paredes de  células me encerram na vigília das sensações que se elevam à quase exaustão do estar em mim, enquanto criador deste específico livro de poemas cujo título   corpo de festim revisita a minha própria sina de estar vivo e produtivo, mas     não faria mal descobrir o mecanismo, o gatilho, de cometer o único crime previsível, quiçá um icônico suicídio pela honra, ritualizado à moda  nipônica, para destituir-me enquanto símbolo terrível, do self à tal persona poética, de toda a libido, do meu “EU-lírico” (esse serial killer, ou o meu místico inner being) [….][28]


Através do discurso do “poeta”, que se autorrefere tanto como “persona poética” quanto como “EU-lírico”, percebe-se a fala ou escrita esquizofrênica do homem “prisioneiro” dentro do corpo, onde está “vivo e produtivo”. A princípio, o trecho citado acima lembra tanto de Foucault em Vigiar e punir, quando discursa sobre o corpo “preso” e “produtivo”, quanto de Deleuze e Guattari em AntiÉdipo, quando discursam sobre o “corpo sem órgãos”, (in)definido como “o modelo da morte” que “aparece quando o corpo sem órgãos repele e depõe os órgãos — nem boca, nem língua, nem dentes… até à automutilação, até ao suicídio”.[29] Ao relacionar analogicamente o corpo com a mandala, uma representação do cosmos em forma de diagrama que é utilizada em rituais tântricos de meditação, o poema também encenaria ora o movimento para uma (im)possível (re)união entre o ser humano (individual) e um Ser divino (universal), entre o eu e um Deus, ora o processo para uma (não) eventual (re)unificação das partes do ser fragmentado. Se por um lado o poeta enquanto homem se identifica com a sua alma e seu corpo, por outro lado, ao desejar se “destituir” da sua “persona”, o homem enquanto poeta finalmente (re)conhece que é o seu próprio “ego” que o faz ser um “EU” sujeito, e não um OUTRO livre. Produz-se, enfim, o desejo de produzir um produto improdutivo, ou até improdutível: a poesia sem o poeta. O poeta assim se tornaria, como Houdini, “o artista desaparecido sem deixar vestígio”, pois só poderia “livrar-se dos cadeados e das grades […] se fosse possível simplesmente, e para sempre, DESAPARECER DE VEZ”. [30]

Sem a identidade do poeta “EM SI”, não haveria mais o uni-verso unitário dos poemas, haveria apenas os multi-versos diversos da poesia. Na esquizopoética de Guarnieri, o “EU” não está mais preso no corpo nem é  mais a prisão do corpo, pois nos “antropoemas” que (de)compõem o Corpo de festim, o próprio homem é literalmente e figurativamente (re)escrito, tanto pelo corpo do livro quanto pelo livro do corpo, como poema objeto e não sujeito à (in)corporação. Afinal, tanto as máquinas-poemas quanto as máquinas-teorias estão plenamente desarranjadas e desligadas, e assim funcionam!

[1] http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=corpo

[2] http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=festa;
http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=festim

[3] GUARNIERI, Alexandre. Corpo de festim – antropoemas. Rio de Janeiro, Confraria do Vento, 2014, 13-31.

[4] DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Ed. 34, 2010, p.20.

[5] Ibid., 18.

[6] Ibid., 11.

[7] Ibid., 20.

[8] Ibid., 20-21.

[9] Ibid., 21.

[10] Ibid., 22.

[11] Ibid., 21.

[12] Ibid., 20.

[13] Ibid., 16.

[14] Ibid., 20.

[15] DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Trad. Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

[16] FREUD, Sigmund. “O inconsciente”. Em: Sigmund Freud obras completas volume 12: Introdução ao narcisismo, Ensaios de metapsicologia e outros textos (1914-1916). Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras, 2010, p. 103.

[17] DELEUZE, Gilles. Lógica do sentido. Trad. Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Perspectiva, Ed. da Universidade de São Paulo, 1974.

[18] FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: Nascimento da prisão. Trad. Raquel Ramalhete. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2004, p. 23-24.

[19] Ibid., 25.

[20] Ibid., 25-26.

[21] Ibid., 26.

[22] Ibid., 26-29.

[23] Ibid., 29.

[24] GUARNIERI, Alexandre. Corpo de festim – antropoemas. Rio de Janeiro, Confraria do Vento, 2014, 82-83.

[25] Ibid., 84-101.

[26] Ibid., 102-103.

[27] Ibid., 104-105.

[28] Ibid., 106-107.

[29] DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia 1. Trad. Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Ed. 34, 2010, p.435.

[30] GUARNIERI, Alexandre. Corpo de festim – antropoemas. Rio de Janeiro, Confraria do Vento, 2014, 106-107.

[Fonte: https://zonadapalavra.wordpress.com/2015/07/24/resenha-sobre-corpo-de-festim-de-alexandre-guarnieri-por-marco-alexandre-de-oliveira/]

Friday, July 10, 2015

Resenha do REFLEXOS & REFLEXÕES, por Luiza Lobo

Resenha: “Reflexos & reflexões” de Marco Alexandre de Oliveira (Gringo Carioca)

reflexaoRESENHA
Reflexos & reflexões, Gringo Carioca (pseud. de Marco Alexandre de Oliveira), Rio de Janeiro, Oito e meio, 2014. 87 p. ISBN 978-85-63883-60-5.
Luiza Lobo
Rio, março de 2015
É inegável a impregnação concretista, neste Reflexos & reflexões(2014), de Marco Alexandre de Oliveira, que o publica com o pseudônimo de Gringo Carioca, e nem poderia deixar de ser. Em seus trabalhos em congressos e na própria tese de Doutorado estudou bastante a poesia de base concretista, em suas idas e vindas entre os Estados Unidos e o Brasil. Brasileiro, mas educado nos Estados Unidos, há alguns anos decidiu aventurar-se e fixar-se aqui, o que lhe rendeu a confortável posição de bilíngue.
O livro de poesia, se não me engano o seu primeiro, surpreende pela maturidade do autor – embora tal surpresa não devesse ocorrer, dada a quantidade de estudos que este aluno de “honours” nos EUA já realizou. Chegando ao Brasil, logo desbravou os espaços do ensino, saltando do IBEU para a PUC, como quem vai e volta até a esquina.
O livro se abre muito inventivo, trazendo definições dicionários de reflexo e de reflexão, seguindo o modelo modernista de Eliot, no Waste Land, que nos preparou boas armadilhas em forma de boutade com supostas fontes utilizadas no seu The Waste Land. Mas aqui Marco segue à risca a ideia de reflexo, em que a verossimilhança entre objeto e imagem é estilhaçada, o que nos leva à reflexão.
Passado o susto inicial, deparamos com um índice – realmente índice, indício de palavras-guias, e não sumário, a rigor – de três páginas, que são um primor de súmula do pós-moderno. A maior parte dos títulos tem uma ou duas palavras, por vezes artigo e substantivo. Já este “índice” indica a linha concretista paródica e crítica escolhida pelo jovem autor: um corte seguro nas palavras e na realidade cotidiana levando a metáfora a tal extremo que esvazia a poesia de todo substrato sentimentalóide que em geral permeia a poesia contemporânea. Menos Drummond, nos seus momentos mais piegas, e mais Cabral, Augusto e Haroldo de Campos, ou Décio Pignatari nas suas fases mais cortantes.
Este corte no senso comum fica evidente em títulos como “sem zen”, “senso (in)comum”, “só lido”, “zazen” etc. Para completar o espírito de criatividade, o rapaz ainda faz uma intertextualidade com os dois sumários de Guimarães Rosa em Tutameia, que apresenta diversos jogo com as letras do alfabeto, seja nos sumários, seja no nome das personagens. Assim, os poemas vão de a a z, e todos os títulos vêm em minúsculas.
O famosíssimo Poema de sete faces, de Alguma poesia (1929), de Drummond, Quando nasci, um anjo torto / desses que vivem na sombra / disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida, tão parodiado, inclusive na conhecida versão de Torquato Neto, ganha aqui uma inventiva releitura carioca, intitulada “poema de 7 caras”, que começa: “Quando nasci, um anjo malandro / desses que vivem na Lapa / disse: Vai, gringo! ser carioca na vida.”  Engenhoso também na sua penúltima estrofe, quando apresenta este auto-retrato: “Mundo mundo vagabundo / se fosse profundo / seria até bacana, não seria esse lixão. / Mundo mundo vagabundo / mais vago que nem palavrão. // Eu devo acrescentar / que esse sol / que esse sotaque / deixam a língua enrolada como outra” (2014, p. 57).
Mas há outras páginas menos paródicas com relação à poesia lírica modernista, mesmo que ainda tenham um travo do “para que tantas pernas, meu Deus?” da última estrofe do Poema de sete faces: “Eu não devia te dizer / mas essa lua /
mas esse conhaque / botam a gente comovido como o diabo” e que mergulham mais profundamente no concretismo, como o “para poesia pura”: para que poesia, / poesia para quê? // para poesia, / “poesia para” // poesia que para, / para que poesia // para poesia, / “poesia pura” (2014, p. 52).
Já noutros momentos a opção concretista é um fato – mas que não perde o sentido de mensagem, o que às vezes desaparecia no excessivo afã visual, na poesia concretista. É o caso do poema “perguntas”, título que aparece no índice, mas que na pág. 55 tem apenas ao alto sete pontos de interrogação; o poema se compõe exclusivamente de pontos de interrogação formando um enorme ponto idem. O recurso da interrogação tem uma variante cujo título, no índice, é “charadas”, mas que na pág. 31 surge apenas como vários pontos de interrogação em negrito sugerindo diversas perguntas, enigmas ou charadas.
“Tão alone” (2014, p. 79) é um poema bilíngue que diz tudo com muito pouco: “tão alone / So só”, no qual duas palavras são em português, tão e só, e duas em inglês, alone e so – que por acaso também significa tão, o que reduz a estrutura desse poema a dois versos redundantes, misturando línguas. “Zazen” (2014, p. 85), o último poema da mostra, joga com as letras z e a palavra zazen na forma de uma pessoa meditando e faz jus ao título do livro, reflexos & reflexões.
O espelhamento de sílabas, ecos, indagações, palavras, na sua unidade mínima, nos despertam, neste livro, para o vazio do sentido da maior parte de nossas ações diárias, e nos remete para a reflexão sobre o verdadeiro sentido da vida. Isso talvez responda ao verso do poema “para poesia pura” (2014, p. 52) “poesia para quê”. É o próprio poeta que nos responde, no poema visual “por q” (2014, p. 61): ainda uma interrogação dentro de um ovo contém a palavra “quê”, que nada mais é senão um óvulo. Aí está tudo que é um nada. Palavra precisa e certa. Excelente livro.

[Fonte: http://litcult.net/site/reflexos-reflexoes/]

Tuesday, June 09, 2015

Holy Poetry, Batman!




Holy Poetry, Batman!

Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy!
Agility is holy! Almost is holy! The alphabet is holy! The Alps are holy! The alter-ego and anagram and apparition and armadillo holy!
The armor plate is holy! the ashtray's holy! the asp is holy! astronomy is holy! Astringent plum-like fruit is holy!
The Audubon's as holy as the backfire! the ball and chain are holy as my bank balance is holy!
Bankruptcy is holy the banks are holy bargain basements are holy the barracuda is holy bat logic is holy!
Holy bat trap holy Benedict Arnold holy bijou holy bikini holy Bill Of Rights holy birthday cake holy Black Beard holy blackout holy blank cartridge holy blizzard!
Holy Bluebeard! Holy bouncing boiler plate!
Holy bowler! Holy bull's-eye! Holy bunions caffeine camouflage Captain Nemo Caruso catastrophe & cats!
Holy the chicken coop! Holy chilblains! Holy chocolate éclair!
Holy Cinderella! Holy Cinemascope! Holy cliche! Same bat time, same bat channel!
Holy cliffhangers Holy clockwork Holy Cofax you mean Holy coffin nails Holy cold creeps Holy complications Holy conflagration!
Holy contributing to the delinquency of minors holy corpuscles holy the cosmos holy the costume party holy crack up holy the crossfire!
Holy the crucial moment holy cryptology holy d'Artagnan holy the detonator holy the disappearing act holy the distortion holy the diversionary tactics holy Dr. Jekyll and Mr. Hyde holy the egg shells!
Holy encore! epigrams! escape-hatch! explosion! Holy! Fate-worse-than-death! felony! finishing-touches! fireworks!
Holy the firing squad!

Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy!
The fishbowl is holy! The flight plan is holy! The flip-flop is holy! The flood gate is holy! The floor covering and flypaper and fly trap and fog holy!
The forecast is holy! the fork in the road's holy! the Fourth Amendment is holy! the Fourth of July is holy! Frankenstein is holy!
Fratricides as holy as the frogman! fruit salad is holy as frying towels are holy!
The funny bone is holy the gall is holy gambles are holy Gemini are holy geography is holy!
Holy ghost writer holy giveaways holy glow pot holy Golden Gate holy Graf Zeppelin holy grammar holy graveyards holy greed holy the Green Card holy the greeting cards!
Holy the guacamole! Holy Guadalcanal!
Holy the gullibility! Holy the gunpowder! Holy haberdashery hailstorm hairdo hallelujah Halloween hallucination & hamburger!
Holy Hamlet! Holy the hamstrings! Holy the happenstance!
Holy the hardest metal in the world! Holy the harem! Holy Harshin! Same bat time, same bat channel!
Holy haziness Holy headache Holy headline Holy heart failure Holy heartbreak Holy Heidelberg Holy helmets!
Holy helplessness holy here we go again holy hi-fi holy the hieroglyphic holy the high-wire holy the hijackers!
Holy the history holy the hoaxes holy the hole in a donut holy Hollywood holy the Holocaust holy the homecoming holy the homework holy the homicide holy hoodwink!
Holy hoof beats! hors d'oeuvre! horseshoes! hostage! Holy! Hot foot! Houdini! human collector's item! human pearls!
Holy the human pressure cookers!

Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy!
The human surfboards are holy! The hunting horn is holy! The hurricane is holy! The hutzpa is holy! Hydraulics and hypnotism and hypodermics and ice picks holy!
Ice skates are holy! icebergs are holy! impossibility is holy! impregnability is holy! Incantation is holy!
The Inquisition's as holy as the Interplanetary Yardstick! the interruptions are holy as iodine is holy!
IT and T is holy the jack-in-the-box is holy the jackpot is holy the jail break is holy the jaw breaker is holy!
Holy jelly molds holy jet set holy jigsaw puzzles holy jitter bugs holy Journey to the Center of the Earth holy jumble holy karats holy key hole holy the key ring holy the kilowatts!
Holy kindergarten! Holy knit one pearl two!
Holy the knock-out drops! Holy the known unknown flying objects! Holy Kovax Las Vegas leopard levitation liftoff living-end & lodestone!
Holy Long John Silver! Holy the looking glass! Holy the love birds!
Holy Luther Burbank! Holy the madness! Holy the magic lantern! Same bat time, same bat channel!
Holy Magician Holy Main Springs Holy marathon Holy mashed potatoes Holy masquerade Holy matador Holy mechanical armies!
Holy memory bank holy Merlin holy the Mermaid holy the merry-go-round holy mesmerism holy the metronome!
Holy the miracles holy the miscast holy the missing relatives holy the molars holy Mole Hill holy the mucilage holy the multitudes holy the murder holy the mush!
Holy the naive! New Year's Eve! nick of time! nightmare! Holy! Non sequiturs! oleo! olfactory! one track bat computer mind!
Holy the oversight!

Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy!
Oxygen is holy! Paderewski is holy! Paraffin is holy! The perfect pitch is holy! The pianola and pin cushions and polar front and polar ice sheet holy!
Polaris is holy! popcorn's holy! potluck is holy! the pressure cooker is holy! The priceless collection of Etruscan snoods is holy!
The pseudonym's as holy as the purple cannibals! the puzzlers are holy as the rainbow is holy!
The rats in a trap are holy the ravioli is holy the razor's edge is holy the recompense is holy the red herring is holy!
Holy red snapper holy reincarnation holy relief holy remote control robot holy Reshevsky holy return from oblivion holy reverse polarity holy rheostat holy the ricochet holy Rip Van Winkle!
Holy rising hemlines! Holy the roadblocks!
Holy Robert Louis Stevenson! Holy the rock garden! Holy the rocking chair Romeo and Juliet rudder safari sarcophagus & sardine!
Holy the scalding! Holy schizophrenia! Holy the sedatives!
Holy self-service! Holy semantics! Holy serpentine! Same bat time, same bat channel!
Holy sewer pipe Holy shamrocks Holy Sherlock Holmes Holy show-ups Holy showcase Holy shrinkage Holy shucks!
Holy skull tap holy sky rocket holy the slipped disc holy the smoke holy the smokestack holy the snowball!
Holy the sonic booms holy the special delivery holy the spider webs holy the split seconds holy the squirrel cage holy the stalactites holy the stampede holy the standstills holy the steam valve!
Holy stew pot! stomach aches! stratosphere! stuffing! Holy! Subliminal! sudden incapacitation! sundials! surprise party!
Holy the switch-a-roo!

Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy!
The Taj Mahal is holy! The Tartars are holy! Taxation is holy! Taxidermy is holy! The tee shot and ten toes and terminology and time bomb holy!
Tintinnabulation is holy! tip-offs are holy! the Titanic is holy! the tome is holy! The toreador is holy!
The trampoline's as holy as the transistors! the travel agent is holy as trickery is holy!
The triple feature is holy the trolls and goblins are holy the tuxedo is holy the uncanny photographic mental processes are holy the understatements are holy!
Holy underwritten metropolis holy unlikelihood holy unrefillable prescriptions holy vat holy Venezuela holy vertebrae holy voltage holy waste of energy holy Wayne Manor holy weaponry!
Holy wedding cake! Holy Wernher von Braun!
Holy the whiskers! Holy the wigs! Holy Zorro!

Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy! Holy!
Holy the Caped Crusader and his faithful sidekick Robin...


Copyright © 2015 Marco Alexandre de Oliveira