Thursday, December 31, 2009

as if

video
Copyright © 2009 Marco Alexandre de Oliveira

Wednesday, December 23, 2009

The Hill from Ipanema

– Chico Buarque / gringocarioca

Two Brothers, in the dark of night
After setting down the instruments
How I learned to respect the sight
And suspect the marked silence

I think I hear the pulsing beat
Of echoes of another existence
It's as if the waves of the sea
Washed away the passing moments

It's as if the rhythm of nothing
Were every rhythm from within
Or else, an old song hovering
Still over a mountain in motion


Morro Dois Irmãos

– Chico Buarque

Dois Irmãos, quando vai alta a madrugada
E a teus pés vão-se encostar os instrumentos
Aprendi a respeitar tua prumada
E desconfiar do teu silêncio

Penso ouvir a pulsação atravessada
Do que foi e o que será noutra existência
É assim como se a rocha dilatada
Fosse uma concentração de tempos

É assim como se o ritmo do nada
Fosse, sim, todos os ritmos por dentro
Ou, então, como uma música parada
Sobre uma montanha em movimento


Wednesday, December 16, 2009

anti-

"Some people think they can explain rationally, by thought, what they think. But that is extremely relative. Psychoanalysis is a dangerous disease, it puts to sleep the antiobjective impulses of men and systematizes the bourgeoisie. There is no ultimate Truth. The dialectic is an amusing mechanism which guides us / in a banal kind of way / to the opinions we had in the first place. Does anyone think that, by a minute refinement of logic, he has demonstrated the truth and established the correctness of these opinions? Logic imprisoned by the senses is an organic disease. To this element philosophers always like to add: the power of observation. But actually this magnificent quality of the mind is the proof of its impotence. We observe, we regard from one or more points of view, we choose them among the millions that exist. Experience is also a product of chance and individual faculties. Science disgusts me as soon as it becomes a speculative system, loses its character of utility – that is so useless but is at least individual. I detest greasy objectivity, and harmony, the science that finds everything in order. Carry on, my children, humanity . . . Science says we are the servants of nature: everything is in order, make love and bash your brains in. Carry on, my children, humanity, kind bourgeois and journalist virgins . . . I am against systems, the most acceptable system is on principle to have none. To complete oneself, to perfect oneself in one's own littleness, to fill the vessel with one's individuality, to have the courage to fight for and against thought, the mystery of bread, the sudden burst of an infernal propeller into economic lilies...."

(Tristan Tzara, "Dada Manifesto" – 1918. Trans. Ralph Manheim)

Sunday, December 13, 2009

CEP 20.000

fotografado: gringocarioca

fotógrafo: Ricardo Rodrigues



ESPAÇO CULTURAL SÉRGIO PORTO
rua humaitá, 163 (fundos / 2266 0896)

10 / 12, quinta feira
de 20 às 20:30 / 4 reais.

HOMENAGEM A MÁRIO BORTOLOTTO

com leitura e textos de / para mário por
rogério skylab, chacal, fausto fawcett,
carmen molinari, fabrício corsaletti, graça carpes, edu planchêz,
beto brown, pardal, ericson pires, fran fillon
e quem chegar
*******************************************************
art-action com
tavinho paes, arnaldo brandão, betina kopp
beatriz provasi, juju hollanda, marcela giannini,
layanna lossë
******************************************************
marco gringo carioca, daniel, zé urbano, gabriel,
ricardo rodrigues, microfone aberto

À SAÚDE E À RECUPERAÇÃO
DO GRANDE ARTISTA E IRMÃO


Friday, December 11, 2009

atire a primeira palavra

são os bandidos são os assaltantes são os traficantes são as facções rivais é o crime organizado é o tráfico de armas é o tráfico de drogas é o contrabando são os bandos de maconheiros e chincheiros é a crackolândia são os viciados são os usuários são os marginais é a contracultura é a esquerda é a direita é o poder é o sistema é o estado é o governo é a corrupção são os políticos são os ladrões são os caras sem vergonha na cara são os sem caráter é a impunidade é a injustiça é a polícia é a repressão é a proibição é a opressão é a guerra às drogas é a guerra às pessoas são as guerras em geral é o terrorismo são os estados unidos é o velho inimigo amigo tio sam é a nova ordem mundial é o imperialismo é o neoliberalismo é o neocolonialismo é a dominação é a exploração é o dinheiro é o mercado é a bolsa de valores é o capitalismo é o consumismo é o materialismo é o simulacra é a modernidade é o pós-moderno é o pós-humano são os homens são os ignorantes e arrogantes e mal-educados é a sociedade são as classes sociais é a pobreza é a miséria são as favelas é a exclusão é o racismo é o preconceito é a intolerância é a diferença é a alteridade é a subalternidade é o relativismo cultural é o discurso atual é o ceticismo é o cinismo é a mídia são as notícias e a propaganda são os jornais e as revistas é o rádio é a televisão é a internet é o mal do bom gosto é a opinião pública privada de bom senso são as marchas e protestos são a paz e o amor são os movimentos a favor e contra são os fanáticos é a hipocrisia são as ideologias são as diversas bandeiras é a desordem e o regresso é a desigualdade é a disparidade é o subdesenvolvimento é a falta de infraestrutura é a falta de recursos é a falta de vontade é a falta de solidaridade é o excesso de agressividade é o excesso de tudo é o excesso de todos é o luxo é o lixo são os shoppings são os ricos é a ambição é a ilusão é a decepção é a mediocridade é a banalidade é a burguesia é o conforto é o conformismo é a complacência é a cumplicidade é o status quo é o normal é o cotidiano são as festas são os festivais é o carnaval é a boemia são os artistas são os poetas são os críticos são os critérios são os demais ...

sou eu

sou eu que falo

sou eu que falo e não me calo

sou eu que falo e não me calo mas não faço

sou eu que falo e não me calo mas não faço nada

sou eu que falo e não me calo mas não faço nada e mais nada


Copyright © 2009 Marco Alexandre de Oliveira

* * *

10/12/2009

CEP 20.000

Espaço Cultural Sérgio Porto

Rio de Janeiro


Wednesday, December 09, 2009

samba pra tati

quando acha que um amor não tem mais jeito
dá uma dor, que bate lá no peito

dá tanta vontade ...
dá tanta vontade ...
dá tanta vontade ...

de morrer

há quanto tempo que não aproveita o momento
o cheiro da flor, o canto do vento

dá tanta saudade ...
dá tanta saudade ...
dá tanta saudade ...

de viver

deixar
a vida levar
deixar a morte chegar
deixar a chama apagar

não dá pra deixar

não! a paixão deve ser
a solução, pode crer

e vai ver o velho amor se renovar



Copyright © 2009 Marco Alexandre de Oliveira

The Writer's Technique ...

"Anyone intending to embark on a major work should be lenient with himself and, having completed a stint, deny himself nothing that will not prejudice the next."

"In your working conditions avoid everyday mediocrity. Semi-relaxation, to a background of insipid sounds, is degrading. On the other hand, accompaniment by an etude or a cacophony of voices can become as significant for work as the perceptible silence of the night. If the latter sharpens the inner ear, the former acts as a touchstone for a diction ample enough to bury even the most wayward sounds."

"Keep your pen aloof from inspiration, which it will then attract with magnetic power. The more circumspectly you delay writing down an idea, the more maturely developed it will be on surrendering itself. Speech conquers thought, but writing commands it."

"Consider no work perfect over which you have not once sat from evening to broad daylight."

"Do not write the conclusion of a work in your familiar study. You would not find the necessary courage there. "

"Stages of composition: idea – style – writing…. The idea kills inspiration, style fetters the idea, writing pays off style."

"The work is the death mask of its conception."

(Walter Benjamin, “Post No Bills: The Writer's Technique in Thirteen Theses,” One-Way Street. Trans. Edmund Jephcott)