Wednesday, October 24, 2018

TRES BREVES POEMAS DE MARCO ALEXANDRE DE OLIVEIRA “EL GRINGO CARIOCA”

Marco Alexandre de Oliveira. Columbia, SC. Estados Unidos. Doctor en Literatura Comparada y Máster en Lenguas y Literaturas Románicas por la Universidad de Carolina del Norte en Chapel Hill, y Bachiller en Ciencias de la Religión por la Universidad de Carolina del Sur. Escritor, traductor y profesor de lengua, literatura, cinema y cultura. Su alter-ego, el Gringo Carioca, es una figura ambivalente, intermediaria y transcultural de la América del Norte al Sur, ubicado en la metrópoli pre-pos-moderna del Rio de Janeiro, ex-capital del Brasil. Es autor de los libros Manifestos & manifestações (2018) y Reflexos & reflexões (2014) y ha publicado, expuesto o presentado su obra poética en antologías, revistas, museos, tertulias y eventos literarios o artísticos.

ESTADOS DESUNIDOS

Se llevaron a mi padre
mi madre
y mis hermanos.
Se llevaron a mis parientes
mis amigos
y mis vecinos.
Se llevaron a los niños
los jóvenes
y los ancianos.
Se llevaron a los sueños
las esperanzas
y los ilusiones.
Que estado inhumano
eses divididos Estados Unidos!
Separaron los latinoamericanos
pero estamos aquí reunidos.

DE(S)ENCUENTROS*

¿América, dónde estás?
fue solo un encuentro,
un encuentro solo,
y nada más…
¿América, adónde vas?
nuestras lenguas
se desencontraron,
y además,
no se reencontrarán
nuestras lenguas
jamás…
¿América, dónde estás?
fue solamente un desencuentro,
un desencuentro solo en la mente,
y nada más.
*Publicado en Manifestos e manifestações (Patuá, 2018)

PÁJARO AZUL

el pájaro azul
vuela hasta se confundir
con el horizonte…

[https://atacamabooks.cl/2018/10/23/tres-breves-poemas-de-marco-alexandre-de-oliveira-el-gringo-carioca/]

Tuesday, October 23, 2018

Entrevista com Gringo Carioca

Entrevista com o escritor Gringo Carioca

Gringo Carioca é uma figura ambivalente, intermediária e transcultural da América do Norte ao Sul. Radica(liza)do na metrópole pre-pós-moderna do Rio de Janeiro, ex-capital do Brasil, é autor dos livros Manifestos e manifestações (Patuá, 2018) e Reflexos & reflexões (Oito e Meio, 2014). Tem poemas publicados nas antologias Voces del vino (Books&Smith, 2017), Escriptonita: pop/oesia, mitologia-remix e super-heróis de gibi (Patuá, 2016) e Novos talentos da literatura brasileira – Poesia, contos e crônicas (Confraria de Autores, 2014), e em revistas como Plástico Bolha, MallarmargensSubversa, Et Cetera Otoliths. É também o alter-ego do americano nativo e brasileiro nato Marco Alexandre de Oliveira, Doutor em Literatura Comparada e Mestre em Línguas e Literaturas Neolatinas pela University of North Carolina (EUA), Bacharel em Ciência da Religião pela University of South Carolina (EUA). Confira a entrevista dada pelo escritor à Revista Ambrosia.
AMBROSIA: SEUS POEMAS TEM UM BELO JOGO DE APROPRIAÇÃO QUE ACHO QUE DEVE TER UM POUCO NA LIDA DA TRADUÇÃO DE UMA LÍNGUA À OUTRA. COMO UM EXERCÍCIO DE DESLOCAR-SE PELA LINGUAGEM E PELAS PALAVRAS, TAMBÉM TENTANDO BAGUNÇÁ-LAS OU ARRUMÁ-LAS. UMA DESLOCAÇÃO. COMO É ISSO?
Gringo Carioca: Acho que a “apropriação” é um termo apropriado! De fato, gosto de me apropriar até mais do que criar ou inventar, propriamente dito. Eu seria um “bricoleur” nas concepções pós-estruturalistas de Derrida e de Deleuze e Guattari, que por sua vez apropriaram o termo do estruturalista Lévi-Strauss. Essa “bricolagem” também é procedimento vanguardista, desde as colagens cubistas às montagens dadaístas e surrealistas, modernistas que se apropriaram dos primitivos (vide a antropofagia) e que depois foram apropriados pelos chamados neo vanguardas ou pós-vanguardas. Como disse o antropólogo supracitado: somos todos canibais!
Quanto à tradução, que também pode ser uma forma de apropriação, por ser “gringo” eu naturalmente e de algum modo “traduzo” de uma língua ou cultura para outra. Como a língua portuguesa não é a minha língua nativa, sempre gerou um encanto ou fascínio pela materialidade da palavra, pela textura da linguagem. Depois aprendi com os concretistas e tropicalistas como jogar ou até brincar com as palavras. Mas a regra do jogo vem da minha experiência própria com a língua. Como diz o Caetano Veloso: “a língua é minha pátria/ Eu não tenho pátria: tenho mátria”.
A partir daí se chega a questão central da “deslocação” ou deslocamento, que no meu caso seria antes um modo de ser do que uma forma de escrever. Costumo dizer que o Gringo Carioca é uma figura ambivalente, intermediário e transcultural. Escrevo, portanto, desde um entre-lugar: entre línguas, entre culturas, entre linguagens. Este (entre)lugar é transformativo, transforma as formas e as fórmulas form(ul)adas. Onde há ordem haverá também desordem, e vice versa.
A: ACHO QUE A POLÍTICA É UM ATO DE MUDANÇA. E SUA ESCRITA TAMBÉM O É. SEU SENTIDO DO QUE VOCÊ ESCREVE NUNCA ESTÁ PARADO. VOCÊ MEXE COM A LÍNGUA DE UM JEITO PRÓXIMO  COM QUE AS VANGUARDAS FIZERAM, DENTRO DE SEUS MOVIMENTOS. COMO VOCÊ ESTRUTURA TANTO UM POEMA OU UM CONTO PARTINDO DESTA NOÇÃO DE JOGO COM A LINGUAGEM?
Gringo:  Relação entre a política e a poética é problemática. Eu sempre procurava não misturar as duas por questões “estéticas”, mas recentemente mudei de opinião por causa de mudanças interiores e exteriores a mim. Ao me mudar definitivamente para o Rio de Janeiro, acabei tendo contato direto com movimentos culturais e de rua, que inspiram o engajamento individual e coletivo. Evidentemente, mudanças no cenário político brasileiro e mundial também demandaram alguma resposta poética, preferencialmente de revolta se não revolucionária.
De certo modo, as vanguardas foram bem revolucionárias, tanto na poética quanto na política, enquanto buscavam (con)fundir a arte e a vida. Sempre me identifiquei com esse ideal para o real, primeiramente com o zen budismo, que ensina a arte do viver, depois com as diversas vanguardas, que mostram que a arte pode ser ou se tornar uma forma de vida. E as vanguardas, por serem modernistas ou por serem modernos, se caracterizam pela mudança perpétua através da inovação, renovação, invenção etc. Por isso, os sucessivos movimentos acabam até ficando repetitivos, pois a mudança vira um constante!
No meu caso, cada poema ou texto é uma invenção, apesar da evidente repetição de certos procedimentos poéticos. Concordo com a formula de Kandinsky, de que a forma é a expressão (exterior) do conteúdo (interior), embora eu também diria o contrário, de que o conteúdo é a impressão da forma. Ao compor um poema, eu trabalho quase que obsessivamente na forma do conteúdo que surge através de alguma fonte de inspiração tão espiritual quanto material, que vem do além ou de dentro de mim. Os meus poemas assim viram jogos de palavras que são re(di)gidas por alguma determinada regra do jogo que parece a priori mas na verdade é quase sempre após o fato.
A: A ARTE VISUAL TAMBÉM É MUITO PRESENTE NOS SEUS LIVROS. HÁ SEMPRE UMA VEIA VISUAL TANTO NOS POEMAS MAIS CONCISOS TANTO NOS POEMAS MAIS ENCORPADOS. ACHO QUE TAMBÉM OBEDECEM À TIPO DE CORTE CINEMATOGRÁFICO COMO UM PLANO DE COSTURA DO CINEMA. VOCÊ GOSTA DE CINEMA? E COMO VOCÊ VÊ ESTA POSSÍVEL INFLUÊNCIA?
Gringo: Após ler poetas modernistas clássicos de língua inglesa como T.S. Eliot, Ezra Pound, Wallace Stevens, W. B. Yeats, William Carlos Williams e E. E. Cummings, e de língua portuguesa como Fernando Pessoa, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Carlos Drummond, Manuel Bandeira e Cecília Meireles, a grande descoberta para mim foi a poesia concreta de Augusto de Campos, Décio Pignatari e Haroldo de Campos e o neoconcretismo de Ferreira Gullar. Curiosamente, compus o meu primeiro poema “concreto” antes de ver/ler/ouvir dizer ou falar do concretismo, que virou a dominar boa parte dos meus estudos de pós-graduação.
Esse “corte cinematográfico” a qual você se refere deve se relacionar, portanto, com o conceito do ideograma utilizado tanto na poesia concreta quanto no cinema através da técnica de montagem, que por sua vez, na sua forma “intelectual” ou “dialética” desenvolvida por Eisenstein, se baseia no procedimento do haicai japonês, cuja estrutura corresponde ao modo de escrita da língua japonesa e chinesa: a ideografia.
O meu interesse pela escrita ou escritura visual, ou pela visualidade da escrita, me levou a estudar e pesquisar a relação complexa entre a palavra e imagem durante o modernismo, que é presente em escritores como Marcel Proust, James Joyce e Virgínia Woolf, e em pintores como Pablo Picasso, Georges Braque, Paul Klee e René Magritte, entre outros. Ao buscar os fundamentos de uma escrita ou linguagem visual e moderna, tive a revelação de que tanto a fotografia quanto a cinematografia constituíam formas ou modos de escrita também. Comecei a ver e ler essa escrita “gráfica” em fotógrafos como Man Ray e Robert Bresson e em cineastas como Sergei Eisenstein, Jean-Luc Godard e Glauber Rocha. Inclusive, diversos teóricos do cinema, como Eisenstein, Alexandre Astruc, André Bazin, Jean Mitry e Cristian Metz, pensam o cinema como uma forma ou um modo de escrita. Possivelmente fui influenciado por toda essa conjuntura de estudos, ou simplesmente porque cresci vendo filmes e videoclipes de música!
A: VOCÊ MEXE COM OS ISMOS DA NOSSA ESFERA COTIDIANA. ASSUNTOS QUE SÃO PAUTAS TANTO DE UMA MÍDIA DA TV OU JORNAL QUANTO PAUTAS NAS REDES SOCIAIS. COMO A POESIA ENTRA NESTAS PAUTAS, DEPOIS DE TANTA POLARIZAÇÃO E DEBATE SOBRE ESTES ASSUNTOS MIDIATIZADOS? 
Gringo: Apesar da minha intelectualidade pretensiosa, valorizo o mundano e o cotidiano. O que vale a teoria sem a prática se todo ideal não é nada real? Penso que pensa-se pouco o mundano e o cotidiano, e os que o pensam, pensam de maneira parecida.
As mídias contemporâneas debatem vários pontos de vista de forma exclusiva embora agregadora. As redes sociais compartilham diversas perspectivas de modo inclusivo embora segregador. Por um lado, uma mídia hegemônica e homogeneizante. Por outro, uma mídia popular e tribalizante. Em ambos falta a crítica de si mesmo e o diálogo com o outro, e sobra o discurso superficial e parcial. Sem comentar que as grandes mídias são veículos imperialistas ou colonizadores do capitalismo atual. Qual é a diferença fundamental, afinal, entre a Globo e o Facebook?
A poesia deveria ou poderia ser um outro modo de pensar: uma forma de interpretar criticamente, de ver nitidamente, de refletir profundamente com ideias mas sem ideologias. A poesia “entra” para interagir com o mundo presente, se tornando um outro meio de comunicação ou expressão. O que está em pauta? A poética da vida, a poesia do dia-a-dia!
A: FALE-ME UM POUCO DE SEU TRABALHO DE TRADUTOR. COMO É SUA PRÁTICA?
Gringo: O meu trabalho como tradutor é paralelo à minha vocação de poeta. Comecei a me interessar pela tradução por causa da teoria e prática da transcriação dos irmãos Campos, e depois conheci o poeta e tradutor Rodrigo Garcia Lopes, que me fez ver a importância da tradução para a formação de um poeta.
Logo saíram as minhas primeiras tentativas amadoras de traduzir alguns poetas prediletos da literatura brasileira, como António Cícero, Arnaldo Antunes, Augusto de Campos, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Décio Pignatari, Ferreira Gullar, Haroldo de Campos, José Lino Grünewald, Oswald de Andrade, Paulo Leminski e o próprio Rodrigo Garcia Lopes. Depois comecei a publicar algumas dessas traduções, agora revisadas e aprimoradas, além de tentar novos desafios como poemas “maquinais” de Alexandre Guarnieri e obras seletas de Carlos Nejar. Também acabo de publicar traduções de poetas norte-americanos como Allen Ginsberg, Langston Hughes e William Carlos Williams, além de latino-americanos como o mexicano Octavio Paz e a dominicana María Palitachi.
Durante esse processo, aprendi e entendi que a tradução pode ser uma forma de reescrever ou até recriar o poema em outra língua ou linguagem. Assim, ao traduzir um poema como “traduzir-se”, de Ferreira Gullar, eu me sinto como se eu estivesse me transformando no poeta ou autor do poema. É como se eu incorporasse o chamado “eu lírico”, a voz da poesia em questão. No caso da prosa, já comparei esse processo à mediunidade: é como “baixar o santo”, que é o narrador. E como na antropofagia, a cada vez que traduzo um poema eu incorporo as suas qualidades, domino a sua técnica, me aproprio da sua linguagem. Eis a minha teoria e prática da tradução.
[https://ambrosia.com.br/literatura/entrevista-com-o-escritor-gringo-carioca/] 

TE(N)SÃO


de pressão


zen pensar


bomba relógio


"A desobediência poética de Gringo Carioca"



A desobediência poética de Gringo Carioca numa elegíaca depuração de sentido


O que  a palavra tem? massa, corpo, densidade, peso, a palavra pode ser leve, ter lisura, querer comer ou ter fissura, a palavra vem por onde? Da parte fonativa da laringe, ela tem fonética e, por que não, cinética? Afinal ela anda desanca autoriza desautoriza. Palavra não anda sozinha vem em grupo em movimentos sociais na pajelança vem em curso das coisas e em seus discursos. Ela pode ser só ou em oração ela pode ser rimada ou ritmada na canção. 
Mas quando botam palavras na boca de gente? Xi, Aí depende!
Palavras hoje obedecem à juízes e não juízos. Palavras viram ruas, à direita ou à esquerda. Palavras sinalizam com slogans eu estou ou sou esta posição.
Mas quero dizer que tudo pode ser seu avesso, a arte da política para arte de nomeação ou classificação, ou difamação. Política e poesia podem se manifestar juntas?
O que uma pode dizer à outra?  São ao mesmo tempo arte do encontro e da expressão?
Vi agora virando sem direção nem à esquerda nem à direita um livro desgovernado indo no sentido único da liberdade desvairada da fantasia da imaginação por que só ela pode delirar ou fazer a lira dos musos e das musas  atravancar o caminho das pedras ou deixa-las pelo caminho quem sabe carregá-las para uma fronte da morada.
Gringo Carioca não bota palavras em pedras, nem muito menos sua poética é feita d’água. Há em seus poemas muitas misturas entre o aquoso e o sólido, não dá para medir sua temperatura, se tá quente ou frio, Seus poemas de variados tamanhos, concentrados ou distraídos, obedecem a fórmula do descompromisso com a certeza ou com a verdade dos fatos. Sim, ele subverte tanto a lógica do mundo e seus valores quanto uma lógica formal do poema, cria nonsenses lindos pelo corpo poético encarnando um mestre desilusionista.
Seu Manifestos e Manifestações ( Editora Patuá) é um livro de poemas com lacunas que as repostas e também as perguntas entram pelo cano. O  que chama a atenção é a desobediência entre atrelar a pergunta à resposta. Taí a bagunça de sentido em fazer algum eixo certo/bonito em seus poemas, que são por sinal faísca dialética, contém sua síntese e antítese.
[https://ambrosia.com.br/literatura/a-desobediencia-poetica-de-gringo-carioca-numa-elegiaca-depuracao-de-sentido/]

Wednesday, August 15, 2018

(sem) parar


minha mãe disse:
pare de inventar!

meu pai disse:
pare de chorar!

meu irmão disse:
pare de incomodar!

meu amigo disse:
pare de brincar!

minha professora disse:
pare de falar!

eu digo:
pare de me parar!
                            
já vou começar...


Copyright © 2018 Marco Alexandre de Oliveira


Friday, May 25, 2018

virada (contra)cultural


a contracultura
contrariou-se:

virou-se
a cultura

do contra!



Copyright © 2018 Marco Alexandre de Oliveira

dureza


é dureza 

essa cama macia,
esse quarto vazio,
essa casa cheia, 

de tristeza...


Copyright © 2018 Marco Alexandre de Oliveira

Wednesday, May 16, 2018

Black Women, by Yzalú & Eduardo

Black Women[1]

Yzalú & Eduardo

While the leather whip cut the skin
The metabolized pain made us stronger within
The colony produced much more than captives
It made heroines who, to not breed slaves, killed their offspring
We weren’t defeated by social invalidation
We survived being invisible in films and television
The system may even turn me into a servant
But it can’t make me think I should be subservient
While conventional women fight against sexism
Black women struggle to beat sexism, prejudice, racism
They fight to reverse the process of annihilation
That incarcerates colored people in cubicles in prison
There ain’t no #metoo movement to protect us
From the violence of submitting ourselves to scrubbing toilets
From reading in the bathrooms of the ivory tower
Get out, niggers! Yeah…
Through whitening I’m not your typical beauty
But in all fairness I’m the personification of energy
Slave ships and nicknames given by the enslaver
Failed in their mission to make me feel inferior
I’m not the subaltern that power believes it has built
My place is not in the calvaries of Brazil
If one day I have to join drug dealers in the slum
It’s because justice is blind, deaf, and dumb
Security guard, you don’t need to be afraid,
I know you’re following me, because of my looks, my braids
I know that in your training to protect private beaches
They taught you black women hide store products in their breeches
I don’t want butter or shampoo in packets
I want to stop the machine that gives me mops and buckets
To make my people understand that it’s inadmissible
To be content with scholarships for failing schools
I’m tired of seeing my brothers and sisters in numbers
Of single moms, inmates, and hookers
New chains of steel don’t imprison my mind
They don’t buy me and don’t make me show my behind
Black women don’t get used to being called names
It ain’t better to have straight hair, slender frames
Our facial features are like letters in writing
That keep alive the greatest crime of all time
Stand up for those who were thrown in the sea
For the bodies that were fleshed in the pillories
Don’t let them make you think that our national duty
Is to attract gringo tourists by shaking our booties
They can pay us less for the very same services
Attack our religions, call us devil worshipers
Belittle our Afro-Brazilian cultural contribution
But they can’t remove the pride of our black skin
Black women are like Kevlar blankets
Prepared by life to withstand
Sexism, gunshots, Eurocentrism
They hurt but don’t hold our neurons captive


[Watch: https://www.youtube.com/watch?v=yQRJfD5PTnI]



[1] Translated from the Portuguese by Marco Alexandre de Oliveira 

rio de luz(es)

do alto do morro
surpreso:

embaixo as janelas,
em cima as estrelas,

o céu e a terra
acesos...


Copyright © 2018 Marco Alexandre de Oliveira

Wednesday, February 21, 2018

poeminha suicida

para não morrer de tédio,
dê um tiro na cabeça,
ou pule de um prédio!
a vida vale quanto pesa;
não tem alívio, nem remédio...


Copyright © 2018 Marco Alexandre de Oliveira

Academia de Falosofia


Copyright © 2018 Marco Alexandre de Oliveira

TPM


Copyright © 2018 Marco Alexandre de Oliveira

Friday, February 02, 2018

político não


Copyright © 2018 Marco Alexandre de Oliveira