Friday, August 28, 2009

Porque ...

Escrevo sem saber o que falar,
Falo sem saber o que dizer,
Digo que não sei falar do que escrevo
Quando começa a ser.

Acordo de manhã cedo e volto a sonhar.
Sonho que acordo e jamais volto a dormir;
Mas durmo, no escuro, durmo
Sem acordar do meu sonhar.

O sol me levanta ao amanhecer;
Eu não quero mais cair
Mas caio, só caio
Na solidão de ser só.

Sou o quê, afinal?
Não chego a saber.
Mas chega a hora de sair –
Saio sem chegar a lugar nenhum.

Vou, então, para onde vou
Sem saber para onde ir,
Onde vou a lugar nenhum
Para chegar a algum lugar.

E a vida vai assim
Até que me pergunto:
Por que?

E daí tudo pára e me responde
Apenas o meu eco sonoro:
Porque.

Vem a resposta da pergunta
Sem responder o que pergunto,
E respondo sem perguntar
Por que.

Respondo com o meu silêncio
Sem refletir no que se espelha
Diante da reflexão:
Porque!

Por isso escrevo o que não sei falar,
Falo o que não sei dizer,
Digo que nunca falo do que escrevo
Quando acaba de ser.



Copyright © 2005 Marco Alexandre de Oliveira

2 comments:

Priscila Andrade said...

Gostou ontem do cep? Foi tranquilo, né?

Estou dando uma geral aqui nos teus escritos.

Beijo,
Priscila

Marco Alexandre de Oliveira said...

CEP foi muito legal ... bem interessante e inspirador. Foi bom conhecer você(s) e pretendo voltar sempre que puder.

Já achei seu blog também ...

Aquele abraço,

Marco